Trab. Previdência

Preposto de empregador rural não precisa ser empregado

A 5ª Turma do TRT/MG, acompanhando o voto da juíza relatora, Lucilde D?Ajuda Lyra de Almeida, manteve decisão de primeira instância que indeferiu pedido de declaração de revelia, e conseqüente aplicação da pena de confissão, a empregadora rural que se fez substituir em audiência por sua filha.Segundo a relatora, embora a Súmula nº 377 do TST determine que, à exceção dos empregadores domésticos, o preposto deve ser, necessariamente, empregado do reclamado, no presente caso, tal como na relação doméstica, a empregadora rural . . .

Este conteúdo é restrito a assinantes.

Por favor, faça seu login.

Não é assinante? Faça agora sua assinatura!

Americanas