Artigos

Governo sinaliza a recriação da CPMF (tributo altamente pernicioso)

por Amal Nasrallah

A equipe econômica do governo volta a mencionar a possibilidade de instituir um tributo sobre transações financeiras, parecido com a antiga CPMF para desonerar a folha e estimular a criação de empregos, tendo em vista a recessão decorrente da pandemia do coronavírus.

Esse tributo tem incidência sobre quase todas as movimentações bancárias, o que atinge praticamente toda a população, levando à sua impopularidade.

Tributos como a CPMF têm impacto sobre as taxas de juros, aumentando a taxa, levando a um desestimulo do crescimento econômico.

Note-se que o aumento da taxa de juros leva ao aumenta as despesas públicas, dificulta novos investimentos, porque eleva o custo de capital, além de desincentivar a expansão do crédito.

Ao final das contas, as classes mais baixas acabam sendo mais lesadas, pois a CPMF tem caráter regressivo. De fato, mesmo que não recaia sobre os  salários, os mais pobres acabam arcando com o valor do tributo inserido no custo dos produtos e serviços que consomem, pois as empresas repassam o valor do tributo para o preço final.

Tendo em vista que a carga é regressiva, quanto menor o rendimento, maior o impacto sobre os mais pobres.

Fonte: Governo sinaliza a recriação da CPMF (tributo altamente pernicioso) | Tributário | Consultoria

Print Friendly, PDF & Email
Americanas

Comentário fechado